Escravo, nem pensar! em números

  • Escravo, nem pensar! é o primeiro programa de prevenção ao trabalho escravo a atuar em âmbito nacional e já atingiu 170 municípios das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste de dez estados brasileiros: Bahia, Ceará, Maranhão, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Piauí, São Paulo, Tocantins e beneficiou aproximadamente 500 mil pessoas.
  • O programa foi responsável pela formação de 3.140 mil educadores e lideranças populares em 66 municípios de oito estados brasileiros.
  • Assessorou técnica e financeiramente 120 projetos de experiências comunitárias, apoiados pelo Fundo de apoio a projetos do Escravo, nem pensar!, que envolveram desde 2007, aproximadamente 90 mil pessoas.
  • Foram distribuídos gratuitamente mais de 300 mil exemplares de publicações didáticas elaboradas pelo programa.
  • Assessorou e apoiou a inserção do tema do trabalho escravo no currículo escolar e no conteúdo programático de municípios, além de colaborar para a abordagem da questão na sala de aula, em projetos interdisciplinares e em atividades cotidianas de entidades da sociedade civil.
  • Em 2015, lançou o livro digital “Escravo, nem pensar! – Uma abordagem sobre o trabalho escravo na escola e na comunidade”, que trata do tema do trabalho escravo e assuntos correlatos de forma dinâmica e interativa.
  • Em 2014, lançou a série de vídeos ENP! na tela, que utiliza facilitação gráfica para explicar assuntos como trabalho escravo, tráfico de pessoas, trabalho infantil e ocupação da Amazônia.
  • Em 2014, lançou o primeiro jogo didático digital, que aproxima o público das situações enfrentadas pelo trabalhador submetido ao trabalho escravo; tendo, em 2013, lançado um jogo de tabuleiro, que aborda o combate a esse crime.
  • Em 2012, lançou a reedição do livro didático Escravo, nem pensar! – como abordar o tema do trabalho escravo em sala de aula e na comunidade, com tiragem de 10 mil exemplares para distribuição gratuita (2012). A primeira versão desta publicação foi feita em 2007; cuja tiragem foi de 24 mil exemplares.
  • Em 2006, elaborou a Almanaque do Alfabetizador e promoveu a distribuição gratuita de 157 mil exemplares, em parceria com o Ministério da Educação, para alfabetizadores e alfabetizadoras das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Vale do Jequitinhonha.
  • Entre 2007 e 2012, a Repórter Brasil manteve escritório em Araguaína (TO), buscando fortalecer sua atuação local e a articulação com os participantes do programa na região.
  • Os encontros, festivais e concursos escolares apoiados reuniram mais de 20 mil pessoas em três estados : Maranhão, Pará e Tocantins entre 2007 e 2009.

PRÊMIOS

  • Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos – 2º lugar na categoria A Sociedade na Educação em Direitos
    Humanos –
    2012

Concedido por Ministério da Educação, em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Fundação SM e Organização dos Estados Iberoamericanos

  • Anamatra 2012 de Direitos Humanos no Mundo do Trabalho – Menção honrosa – 2012

Concedido por Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra)