El País: Nova Conquista, el triunfo de la libertad

Confira aqui a matéria originalmente publicada no jornal El País

En Brasil, un grupo de campesinos víctimas de esclavitud, fundó una comuna donde rehacer sus vidas

En la casa de Edna y su marido, José Rodrigues de Sousa, el día arranca a las cinco de la mañana para dar la bienvenida al amanecer desayunando en el patio. “La tierra, si la trabajas, te da todo lo necesario para no pasar hambre”, comenta Rodrigues mientras muestra orgulloso las papayas maduras en el árbol que da sombra al huerto en la parte trasera de su casa. Aunque no siempre fue así, al menos para él y su familia.

Este matrimonio de casi 60 años vive en el asentamiento de campesinos llamado Nova Conquista, un lugar que nació de una lucha después de que muchos de sus moradores fueran rescatados de trabajos esclavos y otros fueran explotados por una miseria. El lugar está ubicado en uno de los lugares más inhóspitos de Brasil, en el sertón del estado de Piauí (nordeste), una especie de desierto de tierras rojizas y vegetación espinosa. Sin embargo, sus habitantes nacieron en la zona y saben que hay situaciones más duras y difíciles que las condiciones climáticas de su tierra.

Rodrigues tuvo que migrar con 19 años a otras partes del país donde sufrió diferentes grados de explotación laboral. A su caso se suman otros, como el de Francisco Rodrigues dos Santos, de 42 años, que vive cuatro casas más allá y al que aún le resulta difícil contar lo que vivió cuando salió de Piauí. En 2003, un reclutador de trabajadores le ofreció unas “condiciones maravillosas” por ir a trabajar a Pará. “Me dio un dinero para el pasaje y para dejar algo a mi familia para el primer mes. Nunca pensé que me estaba vendiendo por 60 reales (menos de 20 euros)”.

Francisco emprendía así el peor viaje de su vida. Y no es el único. En Piauí, tierra de campesinos, los piauienses se han convertido en mano de obra barata en todo el país para haciendas de caña de azúcar, cafetales, deforestación del Amazonas, construcciones e, incluso, hidroeléctricas o minas. La migración forzosa y el trabajo esclavo asociada a ella es el pan nuestro de cada día en el nordeste. “Estuve viajando durante tres días sin saber hacia dónde me llevaban”, recuerda Francisco, que nunca supo el lugar exacto en el que fue maltratado.

Brasil abolió la esclavitud en 1888, después de haber sido durante 350 años el mayor territorio de occidente donde esta forma de explotación era habitual. Se calcula que el país recibió, en ese tiempo, 4,5 millones de esclavos traídos de África. Sin embargo, lejos de formar parte de un pasado vergonzoso, Francisco recuerda que la esclavitud sigue siendo un problema actual. “Lo primero que pierdes nada más salir de tu tierra es el nombre. Yo dejé de llamarme Francisco para ser Piauí”. Este es el primer paso de los explotadores para deshumanizar al que será convertido casi en un animal de carga. “Al quitarte el nombre, dejas de ser tú”, afirma, y de paso “si algún familiar fuera a buscarnos nunca nos encontraría”.

En Nova Conquista la chicharra canta con todas sus fuerzas a mediodía. Francisco continúa su relato refugiado en la sombra de su casa, que es exactamente igual a la del resto de habitantes del asentamiento campesino. Un total de 39 familias viven en estas tierras donde han construido sus hogares unos frente a otros formando una larga calle.

“Cuando llegamos, me di cuenta de que estábamos en medio de la selva. Nos dieron una lona negra para que montáramos una barraca para dormir. Allí solo había una caseta donde vivía el cantinero, que en realidad era nuestro vigilante”, explica sobre el sitio en el que fue esclavizado. “En aquel lugar solo había sufrimiento. Por la mañana, nos daban un café negro con harina de mandioca y el resto del tiempo arroz con frijoles. Cuando había. Sacábamos el agua para beber, para cocinar y para lavarnos, de donde bebían los animales”, lamenta frotándose las manos. Durante seis meses, Francisco no pudo contactar ni una sola vez con su familia.

“Nos amenazaban con matarnos”

Más allá de las condiciones de supervivencia, lo peor era el miedo. El vecino y amigo de Francisco, Elenilson da Conceição, de 31 años, sufrió a los mismos explotadores. Ni huir ni denunciar era posible, el vigilante les decía: ‘Vamos a por vosotros, os borramos del mundo y nadie más vuelve a tener noticias vuestras”, recuerda Elenilson con amargura.

Su grupo llegó a la selva de noche. “Nos dejaron en medio del monte y cuando volvieron al día siguiente montaron una barraca”. No para que los trabajadores durmieran, sino que era una tienda. “Cualquier cosa que necesitábamos la teníamos que comprar, hasta el jabón para lavar la ropa. Cuando pedí la cuenta a los tres meses, no había cubierto ni para pagar el billete de autobús”, asegura Elenilson. Sufrieron lo que se conoce como servidumbre por deudas y que obliga al trabajador a permanecer en su puesto hasta que salde una deuda imposible que crece cada día.

Francisco y Elenilson fueron liberados por sus propios captores —con menos de 100 euros por seis meses de trabajo— cuando se vieron acorralados durante una operación de la Policía Federal, en la que fueron detenidos los esclavistas. Fue entonces cuando una ONG al servicio de los trabajadores rurales, la Comissão Pastoral da Terra (CPT), les explicó lo que era el trabajo esclavo. Hasta entonces, tanto Francisco como Elenilson pensaban que lo que habían vivido era normal. La organización les propuso denunciar y pelear por sus derechos. “Nos dieron unos 2.000 reales (casi 570 euros) de indemnización”, subraya Francisco, que destaca por encima de todo la dignidad que le fue devuelta con este acto.

Los campesinos de Nova Conquista no son un caso aislado. En 1995, Brasil reconoció ante las Naciones Unidas el trabajo esclavo contemporáneo en su territorio. Desde entonces, se ha avanzado mucho en cuestiones legislativas y cerca de 50.000 personas han sido liberadas. Sin embargo, las ONG consideran que esto es solo la punta del iceberg.

“En 2015, fueron rescatados más de 1.100 trabajadores, pero eso no quiere decir que fueran todos los que estaban siendo explotados. El problema es que cuando se hacen los controles se siguen encontrando, y sabemos que no se están haciendo todos los necesarios porque hay unos 2.600 inspectores de trabajo y se necesitan 5.000 más”, explica Natália Suzuki, coordinadora de la campaña Escravo, nem pensar! de la ONG Reporter Brasil.

El problema, además, está muy arraigado por la normalización de la explotación del obrero, especialmente de los más pobres. “Uno de nuestros trabajos es concienciar a través de la formación de profesores, que luego se lo explican a los alumnos para desnaturalizar algo que no debería ser visto como normal”, afirma Suzuki en las oficinas de la ONG, que trabaja en más de 10 estados y en lo que va de 2016 han asistido a más de 40.000 personas. Ellos atienden a la base de esta cadena que no acaba nunca: los jóvenes y posibles víctimas futuras.

La salvación de la tierra

Es la hora del almuerzo en el asentamiento de agricultores y no se ve ni un alma en medio del secarral. En la casa del señor Rodrigues, Edna sirve arroz con frijoles y un guiso hecho con la gallina que mató por la mañana. Su yerno, uno de los líderes de la comunidad, Francisco José de Santos Oliveira (conocido como Chiquinho) suelta el machete que usa en el campo en el suelo para empezar a comer. Él es uno de los que encabezó, con la ayuda de la Comissão Pastoral da Terra, la lucha para conseguir una tierra para los que fueron rescatados en la selva y para otros campesinos de la zona que durante toda su vida se vieron obligados a trabajar en condiciones de explotación, como es su caso.

“La CPT nos preguntó qué necesitábamos para no volver a migrar y todos respondimos lo mismo: tierra”, explica. Así fue como en 2004, empezaron a buscar una finca disponible. “Después de tres años encontramos una hacienda abandonada. La ocupamos y comenzamos a cultivarla durante un año y medio hasta que el INCRA (Instituto Nacional de Colonización y Reforma Agraria) nos la aprobó”, rememora Chiquinho mientras come bajo el cobertizo de sus suegros. “Fue nuestro mayor triunfo. Hasta entonces, pensábamos que nada iba a salir bien”, agrega.

La ocupación de tierras en Brasil, una vez que es aprobada por el organismo gubernamental INCRA, se regulariza con la compra del latifundio por parte del Estado, que luego se lo cede a los campesinos de diferentes maneras: algunos tienen que pagar algo simbólico o la reciben de forma gratuita, que fue el caso de Nova Conquista. Desde entonces, han conseguido mucho con la ayuda estatal. “Aprobaron un presupuesto para la construcción de las casas, luego la carretera, un pozo y el tendido eléctrico”. Así se ilumina durante las noches la única calle que aglutina las viviendas.

Chiquinho, que hace honor a su apodo, es directo y reivindicativo. “La CPT nos enseñó todo lo que nunca nos enseñaron sobre la dignidad; el reparto de las tierras, que nosotros creíamos que había sido una decisión de Dios; y cuáles son nuestros derechos”, explica antes de volver a cargar la cuchara. “Nuestra lucha se ha hecho famosa porque somos el primer asentamiento creado por campesinos que fueron rescatados de trabajo esclavo. Y por eso, en 2010, nos dieron el Premio Nacional de Derechos Humanos”, recuerda orgulloso este hombre que solo tenía 24 años cuando se convirtió en líder de su comunidad. Desde entonces, no solo ha puesto en marcha Nova Conquista, sino que además ha estudiado Filología Portuguesa alentado por el sueño de ser profesor.

Sin embargo, aún falta mucho por hacer. “Nuestra producción depende de la lluvia y cada vez llueve menos. Necesitamos que se apruebe el proyecto del campo con riego y algo de maquinaria, como un tractor para arar”, afirma refiriéndose a las tierras comunitarias. El terreno está divido en parcelas que cada uno trabaja solo o con el apoyo de los vecinos, donde siembran mandioca, arroz, maíz y frijoles. Si sobra algo después de atender las necesidades domésticas, se vende para dar un empujón a la economía familiar. Este año, la falta de lluvia ha dejado al vecino de Rodrigues sin cosecha. “Vamos a recoger la mía juntos y así tenemos todos”, explica Rodrigues muy serio. El objetivo es seguir siendo libres y eso implica ayudarse y mantenerse unidos para que ninguno tenga que volver a abandonar su región.

Actualmente, uno de los mayores avances logrado en los últimos 20 años contra el trabajo esclavo en Brasil está en peligro. En 2003, se modificó el artículo 149 del Código Penal para incluir cuatro supuestos fundamentales en la definición del trabajo esclavo. “La bancada ruralista en el Congreso y apoyada por el gobierno de Temer quiere sacar del artículo 149 las jornadas exhaustivas y las condiciones degradantes, lo que impediría castigar situaciones como que los trabajadores se vean obligados a dormir en la pocilga de los cerdos, como se han dado casos”, lamenta Natalia Suzuki de Reporter Brasil.

Mientras el engranaje contra la esclavitud sigue funcionando en Brasil, el asentamiento Nova Conquista continúa con su rutina diaria. Comienza a oscurecer en la comunidad y la mayoría de los adultos se prepara para ir a la escuela. Un cielo estrellado acompaña al grupo que se sienta en torno a Chiquinho en un galpón comunitario, donde se imparten clases de alfabetización para mayores como un paso más en el camino que emprendieron hace tiempo contra la esclavitud. El profesor es Chiquinho, que ve así cumplido otro de sus sueños: ser maestro en la tierra donde todos han alcanzado por fin la libertad.

Nenhum comentário

Escravo, nem pensar! fala sobre combate ao trabalho escravo em entrevista ao programa Visão Trabalhista Entrevista

“Na reforma [trabalhista] nós não temos nenhum item contra o combate ao trabalho escravo, porém alguns dispositivos abrem oportunidades para piorar as condições de trabalho dos trabalhadores. Então, se esses trabalhadores já estavam expostos e vulneráveis, com seus direitos fragilizados, (…) alguns dispositivos tornam essa relação trabalhista ainda mais precária e muito mais assimétrica” destaca Natália Suzuki, coordenadora do programa Escravo, nem pensar!

No dia 12 de setembro, a coordenadora do Escravo, nem pensar!, Natália Suzuki, participou do programa Visão Trabalhista Entrevista, do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região. Na ocasião, foram discutidos os impactos da reforma trabalhista no combate ao trabalho escravo, a volta da publicação por parte do Ministério do Trabalho da lista de transparência de empregadores flagrados se utilizando dessa prática criminosa e os cortes orçamentários nas fiscalizações do Grupo Especial de Fiscalização Móvel.

Confira abaixo a entrevista na íntegra:

Nenhum comentário

ENP! fala sobre tráfico de pessoas na Rádio Justiça

Entrevista originalmente publicada no site da Rádio Justiça

No dia 15 de agosto, a coordenadora do Escravo, nem pensar!, Natália Suzuki, explica a diferença entre prostituição e exploração sexual e comenta o PL que regulamenta a prostituição. Confira abaixo a íntegra da entrevista no programa Justiça na Tarde da Rádio Justiça:”

Nenhum comentário

30 de julho Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Entrevista originalmente publicada no site da Rádio Justiça.

Na última segunda feira, dia 31 de julho, a coordenadora do programa Escravo, nem pensar!, Natália Suzuki, deu uma entrevista à Rádio Justiça em razão do dia mundial de enfrentamento ao tráfico de pessoas.

Confira abaixo:

Nenhum comentário

Alunos combatem bullying e xenofobia

Matéria Originalmente publicada no jornal O Estado de S. Paulo, em 01/07/2017. Confira aqui.

Menina dá aulas de espanhol para colegas em escola pública de São Paulo; programa busca estreitar laços, ampliando as relações culturais

Aos 12 anos, Thaís López, filha de bolivianos, dá aulas de espanhol para 30 alunos na escola municipal Infante Dom Henrique, no Canindé, região central de São Paulo. A menina teve a ideia de ensinar o idioma que aprendeu em casa para se aproximar dos colegas e tentar acabar com os “grupinhos” que se formam de acordo com a descendência de cada um.

A proposta de Thaís foi bem recebida pelos colegas e o curso que ela oferece tem quase 70 outros alunos na lista de espera. Mas o interesse pela língua e a vontade dos brasileiros de se aproximar dos imigrantes só aconteceu depois que a escola decidiu fazer um trabalho com todos os estudantes para reduzir o preconceito.

“Apesar de ficar numa região com uma comunidade boliviana muito forte, a escola não tinha um projeto contra a discriminação. Os alunos estrangeiros eram muito estigmatizados, sofriam ameaças, eram xingados, chegavam até a pagar ‘pedágio’ ou coagidos a fazer coisas erradas para não apanharem”, conta Cláudio da Silva Neto, diretor da escola. Ele chegou à direção em 2011 e montou com alunos, professores e pais um novo projeto pedagógico para a unidade, que tinha muitos problemas com violência.

Uma das mudanças promovidas na escola foi a de valorizar a cultura dos estrangeiros e conscientizar professores e alunos sobre os motivos da migração e as condições que eles encontravam ao chegar no Brasil. “Das provocações que faziam sobre o trabalho escravo dos bolivianos e de que eles vinham para roubar emprego, os brasileiros passaram a entender a realidade daquelas famílias e começaram a ter admiração pelos estrangeiros e por terem outra cultura”, conta Cláudio.

Thaís também sentiu a mudança no comportamento do colégio e percebeu que eles passaram a ter curiosidade quando viam os bolivianos conversando em espanhol. “Com esses meses de aula, já dá até pra gente ter algumas conversas curtas em espanhol”, diz a menina que deseja ser advogada para ajudar outros imigrantes no país.

Formação. A escola do Canindé é uma das 43 da rede municipal que no ano passado tiveram professores que passaram por uma formação pela ONG Repórter Brasil para combater o trabalho escravo. “Nossa ideia era trabalhar na prevenção e evitar que esse tipo de condição de trabalho acontecesse. O que encontramos foram casos de xenofobia em algumas escolas e a dificuldade dos professores em lidar com eles por falta de preparo”, contou Natália Suzuki, coordenadora do projeto

A escola, segundo Natália, é um dos pontos de maior conexão entre os imigrantes e a comunidade local. Por isso, um olhar cuidadoso para a criança pode indicar problemas que aquela família esteja passando. “O professor descobre que o aluno, que chegava sujo ou tinha dificuldade de aprendizado, não vinha de uma família relapsa, mas que vive em situação de pobreza ou de abuso.” Com o trabalho de valorização do migrante, Claudio conta que já teve casos de pais que pediram para que o filho fosse reprovado e ficasse mais um ano na escola – que só tem turmas até 0 9.º ano. “Era uma família síria que tinha medo da menina perder a confiança e o que aprendeu aqui por ter de ir para outro colégio.”

Nenhum comentário

Combate ao trabalho infantil

(matéria originalmente publicada no site do Observatório do Terceiro Setor, disponível em: http://observatorio3setor.com.br/media-center/radio/combate-ao-trabalho-infantil/)

Só no Brasil, 2,6 milhões de crianças e adolescentes de 5 a 17 anos realizam algum tipo de trabalho infantil, segundo dados da Fundação Abrinq. E, no mundo, são mais de 168 milhões, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Para discutirmos o problema e ações que já estão sendo colocadas em prática para combatê-lo, conversamos no nosso programa de rádio desta terça (13/06) com Bruna Ribeiro, jornalista da Rede Peteca – Chega de trabalho infantil; Denise Maria Cesario, gerente executiva da Fundação Abrinq; e Thiago Castelli, assessor de projetos da Repórter Brasil e coordenador assistente do programa Escravo, nem pensar.

Os apresentadores foram os jornalistas Joel Scala e Franklin Valverde.

Nenhum comentário

Senadores visitam exposição e destacam ações de combate ao trabalho escravo

Confira aqui a matéria originalmente publicada no site do Senado

Os senadores Paulo Rocha (PT-PA) e Paulo Paim (PT-RS), a senadora Regina Sousa (PT-PI) e o ex-senador João Pedro destacaram, nesta quinta-feira (18), a importância da fiscalização no combate ao trabalho escravo, durante visita à exposição Trabalho Escravo – Auditoria-Fiscal do Trabalho, 20 anos resgatando a cidadania e a dignidade dos trabalhadores”, no Senado.

— Nossa geração jamais passará pela vergonha de não ter lutado — ressaltou Paulo Rocha.

Regina Sousa lamentou o fato de o Brasil ainda ter essa chaga social, com mais de 52 mil trabalhadores resgatados nas duas últimas décadas.

— Isso mostra que os auditores-fiscais do trabalho não dão conta de atender a todos. E mesmo com uma situação dessas, o Estado ainda propõe uma reforma trabalhista que tenta lesar o país — criticou a senadora.

Organizada pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho, a mostra — no Espaço Cultural Ivandro Cunha Lima, localizado no corredor que dá acesso aos anexos I do Senado e da Câmara —  é composta por fotos do auditor-fiscal do trabalho Sérgio Carvalho. Ele integra o Grupo Especial de Fiscalização Móvel, equipe que atua em todo o país no resgate de trabalhadores submetidos a condições análogas às de escravidão.

Já exposto no Palácio do Planalto, no Tribunal Superior do Trabalho (TST) e no campus de Planaltina da Universidade de Brasília (UnB), o trabalho de Sérgio Carvalho registra ao longo de anos cenas tocantes que emocionam e chocam, expondo as condições degradantes e subumanas a que são submetidos os trabalhadores. Durante o evento, o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho lançou o folder Trabalho Escravo Contemporâneo, que está em sua terceira edição.

O presidente do sindicato, Carlos Silva, disse que a exposição e o folder retratam os 22 anos de combate ao trabalho escravo pelo Estado brasileiro. A vice-presidente da entidade, Rosa Maria Campos Jorge, agradeceu os senadores pelo trabalho feito em defesa do trabalhador e da sociedade, em especial ao senador Paulo Rocha por ser o autor da Emenda Constitucional 81, que determina o confisco de propriedades rurais e urbanas onde for encontrado trabalho escravo.

Rosa também destacou a luta de Paulo Paim e de Regina Souza na Comissão de Direitos Humanos (CDH) para combater o trabalho escravo. Ela disse que os auditores-fiscais do trabalho e a sociedade contam com a ajuda deles para combater propostas prejudiciais para a sociedade, como o Projeto de Lei do Senado 432/2013, que modifica o conceito de trabalho escravo.

Com informações do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho

foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Nenhum comentário

“Além da Carne Fraca” há muito mais que ações judiciais e policiais

Confira aqui a matéria originalmente publicada no site da ABRASCO

O Seminário “Desafios Além da Carne Fraca: comida, saúde e ambiente”, que aconteceu no dia 18 de abril, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), discutiu as questões amplas e profundas que não apareceram nos noticiários no Brasil, quando vieram a público os resultados da Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal no dia 17 de março. Pesquisadores se reuniram para apresentar e debater questões como o processo produtivo da carne, o trabalho, a economia, o direito dos animais, a alimentação saudável e a não-saudável, a saúde da população, a vigilância sanitária e o Sistema Único de Saúde, a degradação ambiental. Inês Rugani, coordenadora do GT Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva da Abrasco, e Eduardo Faerstein, coordenador do Comitê de Relações Internacionais da Abrasco, organizadores do evento, afirmaram que apenas por meio da combinação dos campos da Saúde Coletiva, Agronomia, Economia, Engenharia, Jornalismo, Nutrição, Bioquímica e Ciências Sociais foi possível compreender e agir sobre os complexos processos, interligados, que determinam e influenciam a alimentação humana. “Além dos ​12 moderadores, palestrantes e debatedores​, um time ​considerável de técnicos, alunos e docentes envolveu-se em numerosas providencias para produção e apoio operacional. Além do apoio, inclusive financeiro, das entidades co-promotoras (Abrasco, Centro Brasil de Saúde Global, Idec, Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável), houve decisivo apoio institucional na UERJ por parte da Reitoria, Direções e coordenações de pós-graduação dos Institutos de Nutrição e Medicina Social; Telessaude, CTE/SR3, Prefeitura do campus e Comunicação/Abrasco garantiram a gravação, transmissão online e documentação do evento; Abrasco/Livros esteve presente, com obras relacionadas ao tema”, ressaltaram.

Nesse sentido, uma programação intensa de um dia inteiro foi planejada para o Seminário. Pela manhã, “destrinchando a cadeia produtiva da carne no sistema alimentar”, estiveram Sérgio Schlesinger (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – FASE), Pedro Cristoffolli (Universidade Federal da Fronteira Sul) e Natália Suzuki (coordenadora do Programa “Escravo, nem pensar! da ONG Repórter Brasil). Moderada por Paulo Henrique Rodrigues (coordenador Adjunto Pós-Graduação Saúde Coletiva – IMS-UERJ), a mesa teve como debatedor Luiz Carlos Pinheiro Machado (Professor aposentado UFRGS e UFSC). A abertura foi realizada por Eduardo Faerstein, que explicou “o que os trouxe” a estar neste Seminário, pensar o evento. Faerstein começou as atividades do dia destacando a visibilidade da Operação Carne Fraca na imprensa internacional e ressaltou que o tema do evento e todas as nuances que seriam debatidas não eram questões triviais. “Não é nosso objetivo entrar no contexto da operação policial, nem os desdobramentos judiciais da Carne Fraca. Tampouco é nosso objetivo, com o Seminário, debater preferências alimentares, tipos de dieta. O que nos traz aqui hoje são as preocupações com a Saúde e as populações. O que acontece no estado de saúde ao longo da vida é resultante de uma operação de numerosos determinantes, que até que se chegue ao sistema biológico, existe um conjunto de dimensões que estão além do indivíduo, fatores estruturais e sociais, aos quais nosso tema se encaixa”, pontuou.

Sérgio Schlesinger, da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – FASE, apresentou gráficos, tabelas e outros recursos visuais e informacionais, para explicar, do ponto de vista econômico, que de “Fraca” a carne não tem nada. O Brasil é um dos maiores produtores de carne bovina no mundo, o segundo maior de carne de frango, o que movimenta bilhões de reais. Além disso, Schlesinger apresentou o impacto da cadeia produtiva da carne no desmatamento, na redução de biodiversidade, na crise hídrica e nas mudanças climáticas. Pedro Cristoffolli, da Universidade Federal da Fronteira Sul, destacou a produção, o número de arrobas produzidas no Brasil, a dimensão, a cadeia envolvida nesse processo produtivo e as mudanças empresariais que ocorreram durante várias décadas. Natália Suzuki, coordenadora do Programa “Escravo, nem pensar! da ONG Repórter Brasil, apresentou as pesquisas realizadas pela instituição Repórter Brasil no âmbito do trabalho em frigoríficos, na agropecuária e sobre as condições de trabalho dos trabalhadores dessa cadeia produtiva. Segundo Natália, o campo da agropecuária é o que apresenta o maior índice de trabalho escravo no Brasil.

André Luis Gemal, membro do GT Vigilância Sanitária da Abrasco. Fotos – Flaviano Quaresma

À tarde, o tema da mesa trouxe “A cadeia produtiva da carne, saúde da população e direitos do consumidor” e também os palestrantes André Luis Gemal (UFRJ), Rosangela Pezza Cintrão (Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) e Ana Paula Bortoletto (Idec; Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável) para discutir o tema. André Gemal, membro do GT Vigilância Sanitária da Abrasco, destacou questões cruciais e cronológicas para entendermos mudanças e possíveis avanços em relação à Saúde, ao Sistema Único de Saúde, à Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Pontuou diversas vezes que a questão da fragmentação é o grande problema de controle e vigilância na produção e comercialização da carne. E ressaltou que “no embate entre o econômico e a saúde, estamos sendo comidos (sem trocadilhos)”. “Precisamos sair da fragmentação e pensar em novo modelo que possa integrar produção e consumo”, afirmou. Rosangela Pezza Cintrão, do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, apresentou o grupo de trabalho do Slow Food Brasil sobre queijos artesanais. “”Entender a lógica da Legislação Sanitária e suas consequências implica em perceber que há dois modelos de produção e desenvolvimento em disputa na agricultura: o da ‘modernização da agricultura’ ou agronegócio e o da agricultura sustentável ou agroecologia”. Para Rosangela, a mudança de cultura foi tão avassaladora que nós acreditamos ser mais seguro consumir produtos vendidos nos grandes supermercados.

Ana Paula Bortoletto, do Idec. Fotos – Flaviano Quaresma

Ana Paula Bortoletto, do Idec e da Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, explicou quais foram as providências tomadas pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) quando foi deflagrada a Operação Carne Fraca. Com as evidências de fraude nos produtos de origem animal disponíveis para consumo, o Idec exigiu que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento fornecesse ao público de forma ampla, clara e precisa, informações sobre o rol de produtos fraudados, descrição de marcas, número de lotes, locais de apreensão e outros dados que os identifiquem; e ainda determinasse às empresas envolvidas, a retirada imediata do mercado (recall) dos produtos fraudados/deteriorados, com o imediato recolhimento dos produtos do mercado de consumo, até que fossem sanadas as falhas do processo produtivo e de fiscalização que colocassem em risco a saúde e a segurança dos consumidores brasileiros e estrangeiros. No dia 31 de março último,  o Idec encaminhou à Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon), ao Ministro da Justiça, Osmar Serraglio, e ao Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, uma carta pedindo explicações sobre a suspensão do recall das carnes provenientes dos frigoríficos Souza Ramos, Transmeat e Pecin, alvos da Operação Carne Fraca. Ana Paula disse que o Idec vem acompanhando com empenho a situação e cobra que mais informações sobre os detalhes da Operação sejam trazidas a público para que os reais riscos que os consumidores brasileiros e de outros países sejam expostos.

Na mesa final, que reuniu todos os palestrantes, coordenadores e debatedores, numa plenária aberta à participação do público, os participantes puderam pontuar e relacionar as questões apresentadas durante todo o dia. Inês Rugani e Eduardo Faerstein agradeceram a todos que contribuíram para a viabilização do seminário, que teve sucesso de público e de crítica, e que acalentou e revigorou os participantes, em meio a tanta adversidade vivida na UERJ atualmente.

O Seminário “Desafios Além da Carne Fraca: comida, saúde e ambiente”, segundo Faerstein, terá continuidade com relatório, edição e postagem de vídeo, publicação de artigos em periódico indexado, e manutenção e expansão de repositório de material bibliográfico.

Confira aqui o álbum de fotos do seminário publicado na página do facebook da ABRASCO

Acesse aqui os vídeos feitos pela TV ABRASCO durante o evento

Nenhum comentário

Governo capacita educadores e assistentes sociais no enfrentamento ao trabalho escravo no Maranhão

Confira aqui a matéria originalmente publicada no site do Governo do Maranhão

Dados do Ministério Trabalho apontam que o Maranhão responde hoje por 23% dos 52 mil trabalhadores resgatados em condições análogas à de trabalho escravo, entre 2003 e 2016, respondendo por cerca de 3.500 libertados em seu território. Para enfrentar esta realidade, o Governo do Estado tem mobilizado diversas frentes de ação e estratégias integradas, organizadas pela Secretaria Estadual de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), e que estiveram em pauta no Seminário Educação e Assistência Social: os desafios no combate ao trabalho escravo, nos dias 19 e 20 de abril, realizado no Auditório do Tribunal de Contas do Estado.

O evento contou com a parceria da Ong Repórter Brasil, da Organização Internacional do Trabalho e da Comissão Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo no Maranhão (Coetrae/MA) e mobilizou técnicos dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e dos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), gestores educacionais, representantes de Unidades Regionais de Educação (URE) e estudantes do ensino médio.

A pobreza, analfabetismo, falta de oportunidade e qualificação, e a presença de exploradores são apontadas como as principais causas do trabalho escravo no Maranhão. Desde 2012, o II Plano Estadual de Enfrentamento ao Trabalho Escravo – documento elaborado pela Coetrae/MA, organizou metas com três eixos de atuação que direcionam as estratégias de prevenção, repressão e reinserção.

“A responsabilidade é de todos nós. A política de direitos humanos é transversal e a Sedihpop tem colaborado na mediação junto às secretarias que atuam diretamente com esta situação, que está diretamente associada a práticas de escravidão que permanecem até hoje atingido negros, pobres e trabalhadores rurais”, refletiu o secretário estadual de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves.

Todos os municípios do Maranhão contam com rede de atendimento da Secretaria Estadual de Assistência Social e da Secretaria Estadual de Educação e, para o Governo do Estado, o trabalho transversal entre educação e assistência social será eficaz no cumprimento da erradicação do trabalho escravo no estado.

Assistência social

No primeiro dia do seminário, as ações de reinserção das vítimas e a prevenção das famílias foram o enfoque dos debates com direcionamento para os profissionais de assistência social que atuam nos 22 municípios de maior incidência de trabalho escravo no Maranhão.

A pesquisadora Flávia Moura apontou dados que apontam a vulnerabilidade e a condição de migrantes como as principais causas de incidência de trabalho escravo no Maranhão, atraídos por falsas promessas de emprego e renda ou também pela ausência de estrutura mínima (social e fundiária) de viverem com dignidade em suas comunidades. “Temos que considerar também o aspecto específico do contexto maranhense, onde a maioria dos municípios e comunidades mapeadas como áreas de trabalho escravo são também territórios quilombolas e indígenas”, relatou Flávia Moura, pesquisadora e professora do curso de Comunicação Social da UFMA.

A assistente social Suelen Pereira, que atua no CRAS da cidade de Bom Jardim, falou sobre a importância desta capacitação. “O seminário está sendo muito importante por essa troca de experiências, já que nós somos a porta de atendimento destas pessoas e podemos cair no risco da prática de assistencialismo. O CREAS realiza atendimento especializado à violação de direitos e o CRAS na prevenção, no atendimento às famílias, crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade”, disse Suelen.

Educação

A educação foi o enfoque dos debates no segundo dia do evento. Representantes da Secretaria de Estado de Educação, gestores de diversas Unidades Regionais de Educação, professores e estudantes apresentaram experiências e relatos das ações do programa ‘Escravo, nem pensar!’, coordenado pela ONG Repórter Brasil, com foco nos municípios que concentram a maior parte dos trabalhadores maranhenses, que vivem em situação análoga à escravidão.

Natália Suzuki, coordenadora de educação da ONG Repórter Brasil, avaliou a iniciativa do Governo em mudar a realidade do estado no enfrentamento ao trabalho escravo. “Hoje, encerramos oficialmente o projeto. Foram mais de 130 mil pessoas alcançadas de junho de 2015 a junho de 2016 em 62 municípios do Maranhão, em áreas extremamente vulneráveis ao aliciamento do trabalho escravo. Mais de 84 mil alunos protagonizando ações e 5 mil docentes no processo como um todo. A importância desse momento é prestigiar todas estas ações e incentivas que outras regiões do país façam esse tipo de ação de prevenção. O maranhão sai na frente pela abertura do diálogo para esse enfrentamento e se torna exemplo para outros estados”, destacou Natália Suzuki.

Durante o seminário, foi apresentado um vídeo e publicação impressa com os resultados do projeto “Escravo, nem pensar! – formação de gestores de educação do estado do Maranhão”, realizado pela Repórter Brasil em parceria com a Secretaria de Estado de Educação do Maranhão, com apoio Coetrae/MA e da Sedihpop. Alunos do CEM Fernando Perdigão apresentaram também esquetes teatrais retratando casos de violência e aliciamento.

“Dentro do planejamento pedagógico da escola, além do conteúdo curricular, a gente defende a ideia que deve haver um preparo maior e mais crítico para os alunos, a nossa metodologia de ensino coloca ações transversais e sociais que incluem temas como trabalho escravo, que foi uma exigência dos nossos alunos nas práticas de elaboração textual. Esse processo amplia a visão de mundo dos jovens”, ponderou Adeílson Marques, professor de Língua Portuguesa do CEM Fernando Perdigão.

Municípios

O seminário contou com a participação de representantes dos municípios de São Luís, Viana, Paço do Lumiar, Açailândia, Buriticupu, Pindaré, São Bernardo, Santa Inês, Pirapemas, Anajatuba, Bom Jardim, São João Batista, São José de Ribamar, Lagoa Grande, Alcântara, Tutóia, Parnarama, Serrano e Morros.

Nenhum comentário

Maranhão cumpre meta do Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e vira referência para outros estados

Confira aqui a matéria originalmente publicada no site da Secretaria de Educação do Governo do Maranhão

escravo, nem pensar

Apresentação do caderno de resultados do Projeto “Escravo, nem pensar!”

“É verdade que o Maranhão, ainda, é o estado com o maior número de trabalhadores egressos do trabalho escravo de todo o Brasil. Mas, nós temos que celebrar o esforço do estado e todo esse resultado alcançado com o Programa Escravo, nem pensar!’. O Maranhão foi o primeiro estado a implantar esse programa, levando essa temática para dentro das escolas e envolvendo um número fantástico de pessoas. Com isso, o estado um dá salto importante na prevenção ao trabalho escravo. A Organização Internacional do Trabalho agradece!”. A afirmação foi de Antônio Carlos Melo, coordenador do Programa de Combate ao Trabalho Forçado da Organização Internacional do Trabalho (OIT), nesta quinta- feira (20), durante apresentação dos resultados do Programa “Escravo, nem pensar!”, realizado pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), em parceria com a O.N.G. Repórter Brasil.

O programa, que tem foco na prevenção ao trabalho escravo, a partir da educação, foi lançado em 2015, com a formação de mais de 4 mil professores de 203 escolas de 62 municípios com maior ocorrência de oferta de mão de obra e de maior incidência do trabalho escravo.

claudinei

Superintendente de Modalidades e Diversidades Educacionais da Seduc, Claudinei Rodrigues, destaca resultados do projeto no Maranhão

Participaram da solenidade, o Superintendente de Modalidades e Diversidades Educacionais da Seduc, Claudinei Rodrigues; o Secretário adjunto dos Direitos Humanos e Participação Popular Jonata Galvão; o representante da Organização Internacional do Trabalho, Antônio Carlos Melo; do Ministério Público do Trabalho, o procurador Luciano Aragão; e o secretário adjunto de gestão institucional da Seduc, Manoel Pedro, representou o Secretário Felipe Camarão.

Durante o evento, Natália Suzuki, da ONG Repórter Brasil apresentou o projeto e caderno de resultados. Em dois anos, além das formações, a temática foi trabalhada como conteúdo transversal nas salas de aulas. Foram desenvolvidas várias ações dentro e fora das escolas, envolvendo um total 131. 369 mil pessoas entre comunidade escolar (90.264) e extraescolar (41.105).

“Quando nós lançamos o projeto, tínhamos uma expectativa muito grande sobre o que o projeto traria de resultado. Mas, de fato foi muito além do que tínhamos planejado inicialmente. Essa sinergia, o envolvimento dos alunos, professores e das comunidades mais vulneráveis do Maranhão, realmente é uma resultado fantástico. E o Maranhão agora vira referência para outros estados que estarão implantando o programa agora”, disse Natália Suzuki, da ONG Repórter Brasil.

“O resultado demonstra que o Governo do Maranhão tomou uma decisão acertada ao implantar o programa no estado, que foi abraçado pela Seduc, mas, com o aval do governador Flávio Dino. As escolas tiveram a expertise de trabalhar o projeto para além das salas de aula, levando o debate para a sociedade, para que possa ter mais conhecimento de seus direitos trabalhistas, e que digam não a qualquer situação de trabalho escravo, que ainda existe tanto na área rural, quanto no meio urbano. E isso se combate com prevenção”, pontuou Claudinei Rodrigues, da Seduc.

“Levar essa temática para as escolas é fundamental, porque esse é um espaço de debates, de formação de consciência. O resultado apresentado foi surpreendente e com isso o Maranhão, que ainda tem um desafios a vencer na questão do trabalho escravo, sai na frente e dá exemplo de que fazer a prevenção é uma das principais vais de combate ao trabalho escravo”, destacou Jonata Galvão.

Com as ações do programa, o Estado do Maranhão cumpriu a meta 41 do ‘Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo’, que determina que os estados com Plano Estadual de Combate ao Trabalho Escravo devem, por meio do Programa ‘Escravo, Nem Pensar!’, promover formação de professores e lideranças populares para que possam, nas escolas e na comunidade onde estão inseridas, atuar no combate ao trabalho escravo.

Durante o evento, estudantes do C.E. Fernando Perdigão apresentaram performance teatral sobre variadas formas de trabalho escravo. Além disso, estudantes e gestores da Rede Estadual de Ensino fizeram relatos de experiências do projeto em escolas maranhenses.

Fonte: Seduc
Fotos/Divulgação

 

Nenhum comentário