Haitianos: Acesso a direitos em São Paulo (SP)

Em novembro de 2018 foi realizado um mutirão para atendimento social à comunidade haitiana matriculada no Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Perus I, na periferia de São Paulo (SP). A ação é resultado da rede local articulada pela Repórter Brasil (programa Escravo, nem pensar!) e formada pelo CIEJA, Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Perus, Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) Perus e Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI) e pela própria Repórter Brasil.

No mutirão, a comunidade haitiana pôde realizar o Cadastro Único, o canal de acesso a programas sociais, e apresentar individualmente as demandas relacionadas à assistência social e documentação civil. Além dos atendimentos, foram organizadas oficinas educativas, para brasileiros e haitianos, sobre imigração e multiculturalismo.

Os migrantes vieram ao Brasil em busca de melhores condições de vida, estudo e emprego digno. Mais de 400 haitianos estão matriculados no CIEJA, sendo que muitos deles estão em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Na unidade, os migrantes são acolhidos e inseridos nas salas de aula regulares, junto com os brasileiros, e acessam ainda atividades específicas para o aprendizado do Português. O espaço escolar serve como um centro de convivência e cultura para a comunidade haitiana.

Realização: Repórter Brasil/Escravo, nem pensar!

Últimas publicações