Formações e oficinas

Foram realizados três encontros de acompanhamento: em novembro de 2006 e em maio e outubro de 2007. O tema do trabalho escravo contemporâneo foi inserido na sala de aula com o apoio dos materiais da ONG Repórter Brasil, notícias veiculadas na imprensa e filmes. Os alunos realizaram pesquisas de campo em bairros com alto índice de migração de trabalhadores, produziram textos a respeito do tema e divulgaram por meio de murais e panfletos, além de terem organizado peças teatrais. A Secretaria Municipal de Educação de Açailândia realizou um estudo sobre o tema da escravidão contemporânea com os 45 professores da disciplina de História da rede municipal de ensino, para que desenvolvessem o tema em sala de aula e realizassem projetos com os alunos. As lideranças visitaram diversas famílias para alertar sobre os perigos do aliciamento e entregaram materiais informativos.

A rádio comunitária Arca FM, que atinge aproximadamente 30 mil pessoas, veiculou os programas “Vozes da Liberdade” produzidos pela ONG Repórter Brasil. O informativo mensal do Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos de Açailândia (CDVDH), “Boletim Vida”, abordou o tema em diversas edições. As lideranças vinculadas ao CDVDH desenvolveram peças teatrais, deram palestras, trabalham com dança e com capoeira como forma de conscientizar sobre o trabalho escravo. Também realizaram uma pesquisa de campo na Vila Idelmar com trabalhadores libertados para, a partir dela, elaborar uma peça teatral. Houve ainda uma semana de oficinas sobre o trabalho escravo na estação ferroviária de Carajás, principal ponto de saída dos migrantes que vão buscar trabalho nas fazendas do Pará.

GALERIA 

Comentários fechados.