Festivais e concursos

Proposta

O Plano Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo no Tocantins prevê entre suas metas a realização de atividades culturais e festivais artísticos sobre trabalho escravo em escolas e comunidades. Pensando nisso, o Escravo, nem pensar! e algumas entidades que compõem a Coetrae, como a CPT e a Secretaria de Cidadania e Justiça, realizaram o Concurso da Abolição, que envolveu quatro municípios do Estado: Araguaína, Colinas do Tocantins, Santa Fé do Araguaia e Xambioá.

A ideia era mobilizar escolas e comunidades no enfrentamento ao trabalho escravo por meio da produção de desenhos e poemas sobre a temática, resultado de discussão em sala de aula.

Atividades

Nessas cidades, foram realizadas audiências públicas, com a participação do Ministério Público Federal e Ministério Público do Trabalho. Mais de 55 escolas se mobilizaram para estudar com seus alunos a temática do trabalho escravo. Durante essa etapa, crianças, jovens e adultos produziram desenhos e poemas. Depois, cada escola realizou um concurso interno para escolher seus representantes na etapa final.

Os trabalhos foram enviados para a comissão de seleção em Araguaína, composta por CPT e Repórter Brasil, que selecionou os melhores trabalhos de cada município. Além da beleza das obras, foram levados em conta alguns critérios de seleção, como a qualidade da mensagem transmitida. O objetivo era que mais pessoas tivessem acesso aos poemas e desenhos. Portanto, seria fundamental que trouxessem informações corretas e completas sobre o problema.

Materiais produzidos

Os trabalhos premiados foram publicados em uma cartilha, que hoje serve de subsídio para que outras escolas e comunidades reflitam sobre o trabalho escravo.

Comentários fechados.