#92 Pessoas negras são 66% das resgatadas do trabalho escravo no Brasil

Na semana de combate nacional à discriminação racial, o EducaRB traz qual o perfil da maioria dos resgatados do trabalho escravo no Brasil.

66% dos mais de 22,5 mil trabalhadores resgatados que declararam sua raça são negros, o que corresponde a 14.799 pessoas. Dentre eles, 60% eram escravizados em atividades agropecuárias, e os demais realizavam trabalhos no desmatamento, carvoarias, construção civil, extrativismo vegetal, reflorestamento e garimpo. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego, sistematizados pela Repórter Brasil e pela Comissão Pastoral da Terra, e se referem à série histórica das duas últimas décadas.

Apesar de o critério para as pessoas serem escravizadas atualmente não depender da sua origem e raça como nos períodos colonial e imperial, as pessoas negras são maioria dentre os acometidos por essa grave violação. Isto porque grande parte da população negra no Brasil, devido ao legado estrutural da escravidão, enfrenta um cenário de vulnerabilidade socioeconômica, e ficam mais expostos a violações, como o trabalho escravo.

Os últimos dados lançados pelo levantamento “Síntese de Indicadores Sociais 2023” do IBGE demonstram a situação socioeconômica e o menor acesso à direitos das pessoas negras no Brasil. Elas compõem cerca de 47% dos trabalhadores sem carteira assinada no país, são maioria nos postos de trabalho com menor rendimento (como construção, 65,1%; e agropecuária, 62%) e recebem R$7,6 de rendimento-hora a menos que brancos.

Foto: Sérgio Carvalho / MTE