Trabalho escravo e gênero

No Brasil, 62% das 1.889 mulheres submetidas ao trabalho escravo entre 2003 e 2018 são analfabetas ou não concluíram o quinto ano do Ensino Fundamental. Há também uma disparidade racial relevante entre as resgatadas: mais da metade é negra, sendo 42% pardas e 11% pretas. Esses dados fazem parte de levantamento inédito da Repórter Brasil sobre a questão de gênero relacionada à exploração laboral de trabalhadoras no país, realizado a partir dos registros de fiscalizações do Ministério da Economia.

Como resultado do levantamento, o programa Escravo, nem pensar! produziu o material Trabalho escravo e gênero: quem são as trabalhadoras escravizadas no Brasil? e lançou um webinário hômonimo. As produções buscam dar visibilidade ao contexto das mulheres em situação de trabalho escravo, com intuito de subsidiar e aperfeiçoar políticas públicas mais eficientes e, assim, interromper os ciclos de discriminação e reiteração de vulnerabilidades e desigualdades de gênero.

  • Fascículo

A publicação apresenta o perfil das mulheres submetidas ao trabalho escravo, como escolaridade, raça, local de naturalidade e atividade econômica em que foram exploradas. O fascículo aborda ainda a subnotificação nos registros de trabalho escravo nas atividades domésticas e sexuais e as particularidades da condição de mulheres escravizadas. A produção contou com o apoio da Organização Internacional do Trabalho.

  • Webinário

O webinário acontece nos dias 8, 15 e 22 de outubro e discute dados estatísticos, políticas e ações referentes ao resgate e assistência das mulheres vítimas do trabalho escravo. A cada semana, participam especialistas do poder público e da sociedade civil envolvidos nas fiscalizações de trabalho escravo e na assistência às vítimas. Confira a programação completa:

WEBINÁRIO TRABALHO ESCRAVO E GÊNERO: QUEM SÃO AS TRABALHADORAS ESCRAVIZADAS NO BRASIL?

Realização: Repórter Brasil – Programa “Escravo, nem pensar!”
Datas: 8/10, 15/10 e 22/10
Horário: 16h às 17h
Transmissão: Facebook e Youtube – @ReporterBrasil

1 | 8/10
Trabalho escravo e questão de gênero: perfil socioeconômico, estatísticas e invisibilidades sociais
– Natália Suzuki | Coordenadora do programa Escravo, nem pensar! da Repórter Brasil
– Thiago Casteli | Assessor de projeto do programa Escravo, nem pensar! da Repórter Brasil

2 | 15/10
Trabalho escravo e questão de gênero: reflexões a partir da fiscalização e resgate de mulheres
– André Roston | Auditor fiscal do Trabalho do Ministério da Economia
– Lys Sobral | Coordenadora da Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério Público do Trabalho

3 | 22/10
Trabalho escravo e questão de gênero: demandas de mulheres resgatadas e políticas de assistência
– Aline Leandro dos Santos | Assistente social do Centro de Acolhida Especial para Mulheres Imigrantes – São Paulo (SP)
– Francisco Alan Santos Lima | Coordenador da Rede de Ação Integrada de Combate a Escravidão da Comissão Pastoral da Terra – Tucuruí (PA)