O município de Rio Maria no sul do estado do Pará surge com o estabelecimento de posseiros que desenvolvem atividades agrícolas e pecuárias nas margens do ribeirão Mariazinha. Desde então, o município vem sendo cercado por grandes fazendas e, hoje, tem como principal atividade econômica a pecuária de corte. O histórico da região é marcado por inúmeros conflitos agrários e disputas pela terra, além de registrar 16 casos de trabalho escravo, segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Em meio a este histórico dramático da luta camponesa, existem casos emblemáticos da violência e da impunidade que também constituem a trajetória do município. Defensor da reforma agrária e dos direitos dos trabalhadores do campo, o líder sindicalista de Rio Maria João Canuto foi assassinado em dezembro de 1985 a mando de latifundiários. Sucessor de João Canuto na presidência do sindicato, Expedito Ribeiro de Souza foi morto a mando do fazendeiro Jerônimo Alves de Amorim cinco anos após a morte do companheiro. Diante deste cenário, Rio Maria ficou conhecida como a “terra da morte anunciada”e como símbolo da luta camponesa.

 

Atividades realizadas

Formações e oficinas

Projetos comunitários

Notícias

Deixe uma resposta

  • (não será publicado)