Pradópolis é 25º município do estado de São Paulo em casos de trabalho escravo, segundo a estatística da CPT. Entre 2002 e 2012, o município registrou um caso que envolveu a libertação de 9 trabalhadores.

Em março de 2012, nove bolivianos foram encontrados em condições de trabalho análogo à escravidão em Pradópolis. Os estrangeiros trabalhavam na decantação de óleo de cozinha para a produção de biodiesel, contratados da empresa Biodiesel Brasil, de propriedade do professor da Universidade de São Paulo Miguel Joaquim Dabdoub Paz, pesquisador à frente de um dos mais bem-sucedidos programas de pesquisa e produção de biodiesel do mundo.

O município, pertencente ao estado de São Paulo, localiza-se numa região cuja principal atividade econômica é o cultivo de cana-de-açúcar. Por este motivo, Pradópolis é destino para muitos migrantes, vindos principalmente do Maranhão e Vale do Jequitinhonha, que vão trabalhar no corte da cana. Infelizmente, este setor econômico possui um histórico de violações trabalhistas. Desde 1995, ano em que a existência do trabalho escravo foi reconhecida pelo estado brasileiro, a cana-de-açúcar foi responsável por 251 libertações ocorridas no estado de São Paulo.

Atividades realizadas

Formações e oficinas

Notícias

Comentários fechados.