MPT-MT: Palestra em Curvelândia coloca em pauta a problemática do trabalho escravo

Clique aqui para acessar a matéria no site do Ministério Público do Trabalho da 23ª região (MT).

04/08/2014 – A pequena cidade de Curvelândia, de pouco mais de 4.800 habitantes, recebeu, na última quarta-feira (30), o Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) para discutir a problemática da escravidão contemporânea. Cerca de 200 pessoas acompanharam o evento, que foi realizado pela Escola Estadual Boa Esperança.

Situada a 296 km de Cuiabá e a cerca de 60 km de Cáceres, na região oeste do estado, Curvelândia foi um dos 16 municípios brasileiros contemplados este ano com o fundo de apoio do programa ‘Escravo, nem pensar!’, coordenado pela ONG Repórter Brasil, para desenvolvimento de ações de prevenção ao tráfico de pessoas e ao trabalho escravo. Somente em Mato Grosso, sete projetos estão recebendo suporte. Os recursos para realização dessas iniciativas comunitárias, todavia, são provenientes de multas e indenizações obtidos pelo Ministério Público do Trabalho em Cascavel (PR) e em Cáceres (MT) em sua atuação.

O diretor da Escola Estadual Boa Esperança, Evandro Leal, falou sobre o objetivo do projeto ‘História e Cultura Afro Brasileira e Africana’. “Apesar de ter sido selecionado pela ONG Repórter Brasil somente este ano, nós temos um trabalho desde 2010 contra a discriminação racial e de valorização dos povos africanos, que permitiu que os alunos conhecessem a força da cultura negra e alguns ícones da luta pela afirmação da identidade negra, como Mahatma Gandhi e Martin Luther King. Com isso, tentamos transmitir aos alunos a importância de uma sociedade mais justa, com igualdade de direitos e oportunidades”, explica.

Leal, que é professor há oito anos, elogiou a palestra conduzida pelo procurador do Trabalho Leomar Daroncho. “Ele trouxe informações importantes, como o que caracteriza a escravidão moderna e o número de trabalhadores resgatados, para mostrar que essa realidade está mais próxima do que a gente imagina”.

Para o procurador do Trabalho, a experiência não poderia ter sido mais recompensadora. “O ambiente escolar de uma pequena cidade, em região de minifúndio, é bastante adequado para tratarmos desse tema. A miséria e a deficiência na formação dos trabalhadores potencializam a exploração do ser humano na relação trabalhista. Assim, a escola representa um importante aliado na luta pela erradicação dessa prática. Também é importante que as informações sejam difundidas e, nesse sentido, foi significativo compartilhar experiências com a comunidade local.”

 

O procurador do Trabalho Leomar Daroncho falou sobre a escravidão contemporânea e suas características. Foto: Escola Estadual Boa Esperança

O procurador do Trabalho Leomar Daroncho falou sobre a escravidão contemporânea e suas características
Foto: Escola Estadual Boa Esperança

O evento contou, ainda, com apresentações culturais dos grupos de dança Afroescola e Hipnose Black, ambos de Cáceres.

Conheça mais sobre o programa ‘Escravo, nem pensar!’

Informações: Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT)

Contato: (65) 3613-9152 | www.prt23.mpt.mp.br | twitter: @MPT_MT