Projetos desenvolvidos por escolas e entidades sociais mobilizaram 7.150 pessoas em cinco estados brasileiros. Material de sistematização dos projetos está disponível para download

A cada ano, milhares de trabalhadores são aliciados, enganados e acabam sendo vítimas do trabalho escravo contemporâneo nas mais diversas atividades econômicas nas zonas rural e urbana do Brasil. Para enfrentar essa grave violação dos direitos humanos, o programa Escravo, nem pensar! publica, desde 2007, o Fundo de Apoio a Projetos ENP!, responsável por mobilizar e apoiar financeira e pedagogicamente iniciativas comunitárias de prevenção e combate.

enp_capaOs 16 projetos apoiados em 2014 podem ser conhecidos no caderno Experiências Comunitárias de Combate ao Trabalho Escravo e ao Tráfico de Pessoas – 2014. A publicação apresenta o contexto, a proposta de ação e as atividades educativas realizadas por 29 instituições, entre escolas e organizações da sociedade civil, de municípios de cinco estados do país (Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí e Tocantins), onde os registros de trabalho escravo são frequentes. Ao todo, os projetos tiveram 7.150 beneficiários diretos.

Para tornar possível as ações, cada projeto recebeu até R$ 1.500,00, um kit com diversos materiais de apoio e acompanhamento pedagógico mensal da equipe do programa para subsidiar as atividades. Os projetos desenvolveram as ações entre maio e novembro de 2014. Alunos e membros de comunidades rurais elaboraram peças teatrais, panfletagem, pesquisa com moradores, apresentações culturais, caminhadas, palestras abertas, oficinas, além da produção de um extenso conjunto de material didático, como murais informativos, textos, poesias, faixas e desenhos. O Fundo de Apoio a Projetos ENP!  2014 contou com apoio do Ministério Público do Trabalho em Cascavel e em Cáceres e da TAM Linhas Aéreas.

E as campanhas educativas contra o trabalho escravo continuam. As inscrições para a edição 2015 do Fundo de Apoio a Projetos estão abertas. O prazo para envio de propostas é 09 de março.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

  • (não será publicado)