Publicação voltada para educadores aborda os principais aspectos relacionados ao tema

O trabalho infantil é uma violação de direitos que compromete o desenvolvimento integral de milhões de meninos e meninas no Brasil. Desde a década de 1990 até hoje, o país reduziu significativamente o problema, avançou em legislação e políticas públicas e conseguiu uma forte mobilização da sociedade civil contra a entrada precoce de crianças e adolescentes no mercado de trabalho. Apesar disso, a erradicação dessa prática ainda não foi alcançada. Segundo dados do IBGE, mais de 3 milhões de crianças e adolescentes trabalham no país.

capa_meia_infancia

Para promover a discussão sobre esse assunto, o programa Escravo, nem pensar! lança a publicação Meia Infância – O trabalho infanto-juvenil no Brasil hoje. A publicação apresenta as principais informações sobre o tema: definição conceitual, as piores formas de trabalho infantil, aspectos da legislação nacional e internacional, dados estatísticos, a relação com o trabalho escravo e um panorama do combate à essa problemática. O material traz também as normas que regulam a entrada de jovens no mercado de trabalho e indica atividades que não caracterizam trabalho infantil, como o auxílio em tarefas domésticas.

Um dos grandes obstáculos no enfrentamento ao trabalho infantil é a naturalização do problema. Muitas vezes o trabalho é encarado como algo normal, mesmo prejudicando o desempenho escolar e o tempo de lazer de crianças e adolescentes. Por isso, a publicação traz uma discussão crítica dos mitos que defendem o trabalho infantil como uma atividade positiva. Além disso, são listados os órgãos responsáveis pelo acolhimento de denúncia e pelas fiscalizações. Os educadores encontram ainda uma sugestão de atividade didática para abordar o tema em sala de aula.

O material contou com apoio da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e do Ministério Público do Trabalho.

Baixar

 

 

1 Resposta para “Escravo, nem pensar! lança material didático sobre trabalho infantil”

  1. JULIANA PROCOPIO

    Estou muito feliz por nas minhas pesquisas me deparar com um material tão rico para trabalhar com minhas turmas.

    Responder

Deixe uma resposta

  • (não será publicado)